Para entender o que é ergonomia na obra basta lembrar, primeiro, que o trabalho tem que ser seguro. “Riscos chamados ergonômicos trazem limitações físicas, em função do levantamento indevido de peso e, consequentemente, problemas psicológicos”, explica José Bassili, gerente de segurança ocupacional do Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP).

Ou seja, risco ergonômico é aquele existente quando seus funcionários, ou terceiros contratados, levantam, transportam, empurram, fazem carga ou descarga de objetos e materiais pesados, como blocos, sacos de cimentos, caixas, vigas, entre outros, de modo repetitivo.

O risco está na possibilidade da ocorrência de lesões musculares, ou até doenças ocupacionais sérias, que podem afastar o trabalhador do canteiro e se tornar uma dor de cabeça para sua empresa.

Portanto, é extremamente importante dar a devida atenção à ergonomia, oferecendo  treinamentos ou esclarecimentos sobre recomendações ergonômicas, de modo a evitar lesões.

 

O que pode acontecer ao ignorar a ergonomia

  • O levantamento, transporte e descarregamento de areia, brita e tijolos com o carrinho de mão podem desencadear lombalgias – dores na região lombar da coluna, tendinites e hérnias;
  • O transporte de vergalhões de ferro, de madeira ou sacos de cimento nos ombros ou na cabeça, ou ainda de pedras com as mãos, também podem contribuir para a manifestação de problemas de saúde, geralmente ligados a distúrbios osteomuscular.

 

O que devo fazer para prevenir?

  • Os profissionais da obra devem ser instruídos a verificar o tamanho, a forma e o volume da carga a ser levantada e transportada, para analisar o jeito mais seguro de trabalhar;
  • O uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), como luvas, máscaras, óculos, capacete e sapatos de segurança com biqueiras de aço, por exemplo, deve ser obrigatório;
  • Análise ergonômica do trabalho, a fim de identificar e contornar riscos. Esta é uma exigência da NR-17, norma de segurança do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE);
  • É possível contratar empresa terceirizada ou um ergonomista para fazer a identificação dos riscos – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT)

A fiscalização dos trabalhos no canteiro, entretanto, apenas poderá ser realizada por auditores fiscais do MTE. Programas de segurança como o de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e o de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) devem ser implantados e cumpridos a risca.